" A Colectividade Laica Equitativa" : A CARTA seus 10 Artigos !

 

     A 
      C olectividade 
        L aica 
          E quitativa



"a carta"


Artigo 1

 


A DILIGÊNCIA

 

 

o respeito autêntico para as Leis, Decretos e Regulamentos de Portugal. 


A criação de uma estrutura reservou para toda pessoa física, mais de 16 anos, desfrutando sua moral total e integridade intelectual e uma honestidade perfeita, não indo os representantes de nenhuma Organização. 


A implementação de um procedimento de " o Doação de Tempo " por reciprocidade individual de uma ajuda mútua feita em rede. 


A colectividade Laica Equitativa, tem para só vocação criar uma  trama  social, alternativa e complementar, por uma solidariedade entre os seus "participantes.


Artigo 2


1 UMA ADSCRIÇÃO GRATUITA :


Para uma adscrição anual direta dos « Participantes » através de Internet

 


2 UMA ADSCRIÇÃO ENCAREGADO :



Para uma adscrição anual feita por « Conselheiros » para "Participantes"  que não podem unir diretamente por Internet. 


A implementação de uma Contribuição Ananual dando o direito para participar dentro " A Chave ", para " Associações, Comunidades, etc..." 


Por Serviços e Vendas Secundárias planejadas dentro do vigamento de Sócio com " A Chave ". 


Requeira uma declaração dentro os "empresários".


Artigo 3


AS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO 


Tiveram um pagamento pessoal abaixar que 4.000,00 €uros por mês 

(valor passível de revisão). 


Não mostre uma pertença : 

- Filosófica 

- Política 

- Religiosa 

- Econômica 

em qualquer forma que é, nem fazer isto de proselitismo. 


PROVEJA UM ARQUIVO (apresentar a "o Conselheiro Local "): 

A cópia da carteira de identidade Nacional ambos os lados (opcional). 

O detalhe das habilidades  (opcional)

A lista das esperas desejadas e os fundos disponíveis oferecidos. 

O certificado na  honra  (opcional)

A forma de inscrição. 

Chegue, possível, da participação anual (exclua Internet registrando ao vivo, Comunidade, Associação, etc.)  individual ou em preço fixo coletivo, etc... 


As matérias secundárias (mineiros) debaixo de idade 16 não podem participar. 


TODO "participante" recebe um distintivo (bata cartão) de identificação, enquanto correspondendo à situação geográfica dele, para a função dele em " a colectividade laica Equitativa ", 

No NÚMERO dele DE REGISTRAR. (Cep + Função (Escritório) + Número de registrar).

 


Artigo 4


A ORGANIZAÇÃO


LA CLÉ " coordena o funcionando local. 

Todo "participante", pode se tornar um "Conselheiro".


O ESTADO DE "CONSELHEIROS : 


OS CONSELHEIROS LOCAIS


O papel deles : informe, Controle, Proponha. 

Eles estão em relação direta com o Conselheiro Departamental

Eles percebem uma informação pública pela distribuição de boletins.

Eles registram os participantes. Eles organizam a rede "de trocas de tempo". Eles celebram a administração e a contabilidade das "trocas" de todo participante. 

Eles estabelecem uma lista das esperas e  os fundos disponíveis. 

Eles verificam o respeito ético para " A comunidade Laica justa ". 


Eles indicam, na hierarquia, qualquer iniciativa que parece suspeitosa, em sua modalidade ou em sua natureza. 

Eles aplicam as penalidades e as radiações, de acordo com o procedimento planejado. 


Eles adquirem em contato com companhias e Organizações Locais, indicar a eles: 

das necessidades dos participantes em "A colectividade Laica Equitativa".

Os acordos dos quais podem ser percebidos entre os participantes "a chave". (Os sugestionar participando, enquanto confirmando ou refutando os projetos planejaram pelos participantes). 

Eles propõem possíveis desenvolvimentos.


OS CONSELHEIROS DISTRITOS 


O papel deles  informe, Controle, Proponha.

Tome decisões em coordenação com os Conselheiros Locais e Regionais, assista a administração. 

Eles controle o respeito ético para " A colectivdade Laica Equitativa ", organizar a rede de Trocas. 

Eles estabelecem as penalidades e as radiações, de acordo com o procedimento planejado. 


OS  CONSELHEIROS REGIONAIS 


O papel deles: reja nas condições de participação. 

Eles confirmam as decisões temporárias de abolição ou radiação definitiva, em coordenação com os Conselheiros Distritos e o Conselho Nacional, de acordo com o procedimento planejado. 

Eles contribuem ao respeito ético para "A Colectividade Laica Equitativa". Eles controle a administração. 

Eles estabelecem as penalidades e as radiações, de acordo com o procedimento planejado.  



O CONSELHO NACIONAL 


Ele é composto de 6 conselheiros regionais, representante: "a Colectividade Laica Equitativa". 


O papel dele : reja nos casos particulares e litigiosos.  

Ele assiste o respeito ético perfeito para " A Colectividade Laica Equtativa ". Qualquer negligência : de um  Participante,  Conselheiro Local, departamental, regional ou nacional, nas regras éticas de " A Chave " pode ser sancionado  por uma suspensão momentânea na participação ou por uma radiação definitiva de participar, de acordo com o procedimento planejado. 



Artigo 5

 

"A COLECTIVIDADE DE SERVIÇOS" 


Alcançar das trocas de Serviços e as Bens: 

Entre os participantes identificados, "Doador" e "Cobrador." Entre um participante identificado e um Terço (Comunidade, Associação, etc.). 

Entre um participante e para ele. 

Sem falar de dano nas atividades profissionais locais. 

(Em todo caso de impossibilidade fazer ou percebem comprar, por motivo de deficiência, organizações de comércio locais, ou por causa de uma falta de meios financeiros do " o demandante Participante"). 

Os Serviços, Comestíveis, Bens, Materiais, Equipamentos, Artigos, Produtos, a Papelaria, etc., é transformado "tempo equivalente ". 

A unidade deles é igual à uma hora de atividade. 

Uma hora de quantias de atividade para 70 €uro (valor passível de revisão). 

A base semanalmente máxima de "doação de tempo" é de 20 horas. 

Todo "participante" recebe uma atribuição anual de: 

52 X 20 horas = 1040 horas no ( doação  do tempo), em uma reserva,
ele usa a seu critério, sob o controle do conselho.
O tempo de troca são de balcão, por horário, "
doação  de tempo." 

As horas   e horas   recebeu   os dados devem   ser sempre   equilibrada.   Viajar   é considerado.
A quota de base não deve exceder 1000 horas.
A atividade   pessoal ou   de utilidade   social,   pode ser considerado   como uma  doação  de tempo para   um terceiro (após aprovação pelo   conselho local   ou a hierarquia).
Casos especiais ( dom  de   tempo para   a Colectividade)   estão sujeitos   à decisão   dos conselhos locais, departamentais   ou regionais, de acordo   com as agências   em causa.


Casos contenciosos são trazidos à hierarquia nacional.

Técnica de controle, a regularidade   do troca   é realizadoa cada mês.
Um   apuramento das contas   é feito   no final do ano.

Conselheiros, donas de casa   (com filhos menores de   16 anos) ou   trabalho (em   proporção   a qualquer   um   a tempo parcial),   pessoas com mais de   60 anos ou   deficientes,   nãofaz-de-conta.
O "rendimento" em   excesso de   horário (mais de 20   horas semanais   em média),   são consideradas   voluntárias.
O   "gasto"   no tempo (abaixo da   média de 20   horas semanais em media)   deve corrigir   o defeito   o mais rapidamente possível   e justificado,   sob pena   (remoção de exclusãotemporária ou permanente, revendo o caso, de acordo com a procedimento).

Bolsas de mercadorias são proibidas:
Todos os produtos farmacêuticos.
Todos os produtos reconhecidos nocivas ou perigosas.
 


Artigo 6

 

A COLECTIVIDADE DE FAMÍLIAS 


CONCEPÇÃO

 

Alcançar as condições de vida familiar o mais apropriado, no progresso da cuidado deles. 

Perceba um ambiente de alojamento que corresponde e adaptou às necessidades da melhoria das condições de higiene diária e saúde boa, sem distinção social. 

Assegure a proteção das pessoas e as bens delas. 

Assegure  a ajuda mútua, a honestidade, a ordem e a disciplina. Assegure o equilíbrio e a sobrevivência dos espécies. 

Etabelecer hierarquia das habilidades de cada um. 


Não pode participar de "A Colectividade de Familias", toda pessoa: 

- envolvido em uma estrutura: 

     Filosofica

     Politica

     Religiosa

     Economica

- tendo histórias psiquiátricas o judicias 

(na ausência de cuidado sucessivo, convincente e appro-perguntou, enquanto sendo o objeto de um seguimento óbvio e judiciais). 

- substâncias prejudiciais ou perigosas usando para a saúde.  

(A honra de um Certificado, é exigido). 

 



Artigo 7

 


A COLECTIVIDADE DA INVESTIGA ÇÃO  E INOVAÇÃO : 


CONCEPÇÃO  


Para Criar as condições, em investiga ção  e inovação, que não participa de competição com as estruturas existentes das companhias portugesas. Perceba as estruturas adaptadas às exigências éticas de "A colectividade Laica Equitativa". 

Alcançar parcerias com os Companhia.

Tomar provindências, na ausência de parceria. 

Ajudar na  Criação  de novas estruturas  dentro de "Auto-Organisaç ão".

 

São proibidos de   investigação, inovação    ou criação  

        Todos os produtos farmacêutico. 

        Todos os produtos reconhecidos carga nocivas ou perigosas.



Artigo 8

 


A COLECTIVIDADE DE TROCAS COM O PAISES ESTRANGEIROS 


CONDICIONA DE PARTICIPAÇÃO 


- Seja portugês, estrangeiro ou de nacionalidade dobro. 

- Seja residente no Portugal ou no Estrangeiro. 

- Esteja em situação regular de permanência no Portugal. 


ELABORAÇÃO 


Para Perceber condições de trocas culturais, atividades desocupadas e Turismo entre as Regiões portugesas diversas e as várias Regiões dos Países participando. 

Promova a aprendizagem do esperanto, Idioma oficial da "chave", para as trocas com o países, não de língua portugesa. 


Recorde-se que toda pessoa que representa uma estrutura: 

      - Filosófica 

      - Política  

      - Religiosa 

      - Econômica

não pode participar da colectividade Laica Equitativa. 



Artigo 9


O ESTADO FUNCIONANDO DE CONSELHEIROS


- Todo Conselheiro é um participante de " a chave ". 

- ele está em Sociedade com "Colectividade Laica Equitativa". 

- ele pode ser um empresário individual . 


ESTRUTURE 


o Conselheiro está em independência total, para a venda das Bens e Serviços. Ele é declarado "Empresário Individual" no CFE com N ° de SIRENA. 

Ele pode estar :

       Em 1º emprego (uso), 

       Estudante, 

       Pessoa Desempregada, 

       Homem Aposentado, 

       Empregado, 

       Empregado Estatal, 

para Main ou título complementar. 


Ele deve ser computadorizado e conectado com  Internet pelo ADSL. 

Podem ser estabelecidos sua publicidade e seu endereço individualmente ou em sociedade com : "a Colectividade Laica Equitativa": 


Está ansioso para estabelecer uma contabilidade breve (departamento de contas), sem BARRIL (de acordo com o regime do Empresario Individual). 

 


Artigo 10

 


Nenhum de 10 Artigos  desta Carta (Contrato)  podem ser modificados  ou eliminado. 

 

Em francês :
  La
  C ollectivité
    L aïque
      E quitable
La Cle PNG.png

 

Uma colectividade de trocas
Uma organização independente
Uma rede de solidariedade colectiva

 

"A Carta" 
coordena 
a assembléia 
da "Chave"
La Clé

© 2011 A Colectividade Laica Equitativa - 83136 GAREOULT |  E mail : pcgportugal83@gmail.com
 
 
ce site a été créé sur www.quomodo.com